Pesquisas não conseguem registrar cenário pré-eleições dos EUA

Lúcia Guimarães

da Brasileirão Assaí Série A: É jornalista e vive em Nova York desde 1985. Foi correspondente da TV Globo, da TV Cultura e do canal GNT, além de colunista dos jornais O Estado de S. Paulo e O Globo.

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Descrição de chapéu Eleições EUA Pesquisas não conseguem registrar cenário pré-eleições dos EUA Executados sem debate público, levantamentos não avaliam com precisão eleitores que, na reta final, ficam em casa
  • benefício do assinante

    Você tem 7 acessos por dia para dar de presente. Qualquer pessoa que não é assinante poderá ler.

    benefício do assinante

    Assinantes podem liberar 7 acessos por dia para conteúdos da Folha.

    Já é assinante? Faça seu login ASSINE A FOLHA

    • Copiar link
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

15.mai.2024 às 23h00

  • Ouvir o texto

Uma consequência nefasta das intermináveis campanhas presidenciais nos Estados Unidos é a obsessão com pesquisas. A campanha de 2024 é a mais longa e entrou no quarto ano, graças ao ex-presidente que não aceitou o resultado de 2020 e tentou um golpe de Estado.

A possibilidade de uma vitória do candidato no momento esquentando o banco dos réus no sul de Manhattan tem tornado o ritual de anúncios de novos números comparável à exibição de um novo filme de terror de Jordan Peele.

A maioria –sim, ainda a maioria– dos americanos que prefere eleições limpas, justiça independente e proteções constitucionais tem reações de pânico com as manchetes, como a da recente pesquisa realizada pelo The New York Times com o instituto Siena: “Trump lidera em cinco estados-chave, com eleitores jovens e não brancos descontentes com Biden”.

A escolha de presidentes nos EUA que não reflete a maioria, obtida na base de um eleitor/um voto, resulta na eleição de presidentes derrotados no voto popular, mas vitoriosos no Colégio Eleitoral. Projeções este ano variam, mas colocam de 100 mil e até ínfimos 10 mil o número de eleitores que podem decidir a vitória em novembro. É assustador.

As pesquisas, apesar de mencionar o universo de “eleitores prováveis”, não tomam com precisão o pulso do perene terceiro candidato viável neste alquebrado sistema bipartidário: o eleitor que, na reta final, fica em casa.

Lá fora

Receba no seu email uma seleção semanal com o que de mais importante aconteceu no mundo

Carregando…

As pesquisas são capturas tênues de momentos. São executadas sob modelos proprietários, não debatidos em público e desenvolvidos por acadêmicos, estatísticos, previsores econômicos e frequentemente criticadas por miopia sobre as criaturas de carne e osso na disputa.

Elas refletem também a explosão de desinformação da última década, abraçada e amplificada pelo Partido Republicano e alimentada pela mídia trumpista.

Com a humildade de quem ficou em recuperação em estatística na universidade, não posso compreender a pergunta colocada pela pesquisa Times/Siena: “Quem é o maior responsável pela Suprema Corte ter acabado com o direito constitucional ao aborto?” A pergunta é absurda, já que Biden, além de ferrenho defensor do direito ao aborto, não indicou um só dos juízes que recriminalizaram o aborto.

Bingo! 18% dos que responderam nos estados-pêndulo que devem decidir a eleição atribuíram a responsabilidade a Biden.

ic_save

ic_share

Leia Mais Ícone fechar

Voltar

Voltar

Voltar

Compartilhe

“Democratas agem como termômetros. Republicanos agem como termostatos,” lembra a consultora política e especialista em psicologia cognitiva Anat Shenker-Osorio.

Um exemplo seria o efeito do movimento de protesto anti-Israel numa possível derrota de Biden. Muito antes de erguerem acampamentos na Universidade Columbia, na cidade sede da mídia americana, republicanos já atormentavam universidades, denunciando reitores e professores, espantalhos perfeitos para sua rotação de vilões usados para provocar indignação recreativa.

Quando os protestos se tornaram violentos, a receita para culpar democratas já estava no ponto. Uma pesquisa que ignore esta diferença pode prever uma eleição daqui a quase seis meses?

O fato é que republicanos decidem primeiro o que querem tornar popular para martelar na cabeça do eleitor, como a inexistente ameaça trans na educação. Isso ajuda a explicar os altos números de angústia com a economia, que se recuperou com rapidez. Já os democratas andam a reboque de temas que são populares no mundo real. Não há pesquisa no momento que possa registrar este cenário.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • benefício do assinante

    Você tem 7 acessos por dia para dar de presente. Qualquer pessoa que não é assinante poderá ler.

    benefício do assinante

    Assinantes podem liberar 7 acessos por dia para conteúdos da Folha.

    Já é assinante? Faça seu login ASSINE A FOLHA

    • Copiar link
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

  • Donald Trump
  • Eleições EUA 2024
  • Estados Unidos
  • Joe Biden
  • Partido Democrata
  • Partido Republicano

sua assinatura pode valer ainda mais

Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha?Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui).Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia.A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!

sua assinatura vale muito

Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 200 colunistas e blogueiros. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE POR R$ 1,90 NO 1º MÊS

  • Veja outros artigos desse colunista
  • Envie sua notícia
  • Erramos?

Endereço da página

  • https://www1.folha.uol.com.br/colunas/lucia-guimaraes/2024/05/pesquisas-nao-conseguem-registrar-cenario-pre-eleicoes-dos-eua.shtml
Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Termos e condições Todos os comentários Comente Comentar é exclusividade para assinantes.
Assine a Folha por R$ 1,90 no 1º mês
Compartilhar

  • Facebook
  • Twitter

Responda Denuncie