Maquiavel SEGUIR SEGUINDO

da jogo do cassino: O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux foi sorteado para ser o novo relator do recurso de Jair Bolsonaro contra a sua primeira condenação à inelegibilidade — quando o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) entendeu que houve abuso do poder político na reunião feita com embaixadores no Palácio do Planalto em 2022, oportunidade em que o ex-presidente atacou as urnas e o sistema eleitoral.

da Brasileiro Série C: O primeiro relator sorteado foi Cristiano Zanin, que antes de vestir a toga foi advogado pessoal de Lula e da Coligação Brasil Esperança, que contempla o PT. A defesa de Bolsonaro estava questionando a sua imparcialidade para atuar no caso, pedindo a sua suspeição. Já o procurador-geral da República, Paulo Gonet, opinou pela permanência do magistrado no caso, já que o autor desse processo é o PDT, inexistindo vínculo direto com o PT ou com Zanin.

Zanin, no entanto, contrariou o PGR e decidiu se retirar do julgamento do recurso, usando, contudo, uma argumentação diversa da suscitada pela defesa do ex-presidente. Zanin disse que se ele permanecesse no caso dos embaixadores, ficaria “prevento” (termo jurídico para quando um juiz tem a preferência para julgar casos com as mesmas partes e pedidos iguais ou parecidos) para o próximo recurso de Bolsonaro contra a sua segunda inelegibilidade — caso em que ele advogou pela Coligação Brasil Esperança.

“Posto isso, a fim de imprimir a necessária economia processual e evitar uma futura redistribuição do feito, parece-me, a despeito da manifestação da PGR, ser o caso de acolher os fundamentos apresentados no incidente suscitado pelo recorrente para a declarar o meu impedimento para julgar o presente recurso extraordinário com agravo, nos temos do art. 144, I, do CPC, uma vez que subscrevi ação de investigação judicial eleitoral como advogado perante o TSE, cujo pedido e a causa de pedir são similares à ação que deu origem a este recurso extraordinário com agravo. O impedimento, nesta hipótese, refere-se apenas e tão somente ao presente recurso”, disse Zanin na última terça, 7.

Ele ainda submeteu a decisão para ser referendada pelos pares da Primeira Turma — Alexandre de Moraes, Luiz Fux, Flávio Dino e Cármen Lúcia. Como todos endossaram a decisão, o caso foi redistribuído para Fux nesta quinta.

Publicidade
VEJA MercadoA péssima reação da bolsa que faz Brasil ir na contramão do mundo e entrevista com Ana Paula Vescovi


As bolsas europeias e os futuros americanos são negociados em alta na manhã desta sexta-feira, 10. A péssima reação da bolsa à decisão do Copom fez o Brasil ir na contramão do mundo. O Ibovespa caiu 1% e o dólar subiu a 5,14 reais depois de o comitê cortar os juros em 0,25 ponto percentual, para 10,5% ao ano — corte menor do que a projeção do próprio BC. As taxas de juros futuras subiram e os títulos de renda fixa também se apreciaram. São esperados novos cortes de juros, mas o Copom não estipula mais as suas magnitudes. O Congresso derrubou alguns vetos do presidente Lula no orçamento de 2024 e retomou 3,6 bilhões de reais em emendas de comissão. O ministro Fernando Haddad disse que só vai comentar sobre o Copom na semana que vem e anunciou um acordo para retomar a desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia neste ano e reonerá-los gradualmente a partir do ano que vem. O governo anunciou um pacote de 51 bilhões de reais em medidas para a reconstrução do Rio Grande do Sul. Diego Gimenes entrevista Ana Paula Vescovi, economista-chefe do banco Santander.

  • Mais lidas

1Mundo Putin fala em conflito global e diz que Rússia está ‘pronta para combate’2Brasil A apresentadora do SBT que ficou no meio de ‘fogo cruzado’ com a Globo3Brasil O que o resgate do cavalo Caramelo revela sobre o Brasil4Brasil SBT apaga vídeo comprometedor sobre doações no RS5Brasil Despreparo e descaso: o que está por trás da tragédia no RS