Análise: Cricket Through the Ages (Multi) traz uma perspectiva cômica para um dos esportes mais populares do mundo

JogamosAnálise: Cricket Through the Ages (Multi) traz uma perspectiva cômica para um dos esportes mais populares do mundoporGustavo Souza em 16/03/2024Editar

da : O novo título dos criadores de Genital Jousting e Broforce foca no humor nonsense para criar um excelente jogo para aproveitar com os amigos.

Desenvolvido pela Free Lives e publicado pela Devolver Digital, Cricket Through the Ages é um jogo baseado em críquete, um dos esportes mais praticados do mundo, mas não muito conhecido por aqui. Ele é composto por diversos minigames que utilizam da dinâmica do esporte, mas apoiada em uma física peculiar que traz um humor único para os jogadores. Contando com uma jogabilidade simples e um foco no multiplayer para dois jogadores, ele é uma ótima opção casual para se divertir com os amigos.Um taco, uma bola e gravetos fincados no chãoCriado na Inglaterra no século XVI, o críquete é um dos esportes mais populares do planeta, com forte apelo em países como Índia, Paquistão e os membros constituintes do Reino Unido. No Brasil, apesar de não ser tão conhecido, o princípio do esporte pode ser visto em brincadeiras populares como o taco — também conhecido como bets —, ou como meus amigos chamavam, “pau na lata”.

Apesar do grande conjunto de regras, formações e estratégia, irei abordar apenas os pontos mais importantes que relacionam o esporte ao game. Os times de críquete são compostos por 11 atletas, com uma equipe responsável por arremessar a bola e a outra, em rebatê-la, semelhante ao beisebol. Com isso definido, no retângulo central do campo, chamado de pitch, a equipe rebatedora coloca um jogador em cada extremidade protegendo alguns gravetos espetados no chão, chamados de stumps.
A outra equipe entra no pitch com um lançador e uma espécie de goleiro, que fica posicionado atrás dos gravetos, e os demais jogadores se posicionam como recebedores pelo restante do campo. O lançador tem seis tentativas para derrubar os gravetos, o que elimina o rebatedor da partida, e, caso falhe, outro atleta assume a função. Já os rebatedores marcam pontos para seu time rebatendo a bola o mais longe possível. Em um determinado momento, as equipes trocam as funções e, ao final, quem pontuar mais é o vencedor.

O espírito do críquete está por toda a parteEsses detalhes já são o suficiente para entender o conceito de Cricket Through the Ages. O jogo consiste em uma versão cômica e simplificada do esporte, possuindo uma física bem peculiar e um foco no multiplayer para dois jogadores. Além disso, sua jogabilidade baseada em apenas um botão é um fator vantajoso, deixando-o mais agradável para ser jogado com os amigos que não possuem experiência com videogames.
A jogabilidade está centrada no arremesso e na rebatida da bola. Na tela, dois bonecos desengonçados dividem espaço no pitch, assumem as suas determinadas funções e devem pontuar de acordo com as regras do críquete. Geralmente, o próprio jogo estabelece um limite de pontos a serem alcançados e definir um vencedor.

E quando eu digo “dois bonecos”, não necessariamente são dois humanos. A campanha nos conta a história da evolução do esporte — ou quase isso —, começando pela idade da pedra, com um humano jogando uma pedra em um dinossauro, passando por vikings, cavaleiros medievais, soldados da Primeira Guerra Mundial e chegando à prática do críquete no espaço, pois caranguejos mutantes dominaram a Terra.
O humor nonsense está escancarado desde o princípio: a física atrapalhada dos personagens; o narrador fazendo piadas; e a suposta influência do críquete em eventos históricos e em outros esportes. Em alguns modos de jogo disponíveis, os tradicionais tacos são substituídos por raquetes, marretas e espadas, enquanto as bolas de outros esportes, como futebol e basquete, substituem a pequena bola vermelha.

Um botão é o suficienteNo fim das contas, a campanha funciona como um longo tutorial para ensinar as nuances de cada modo de jogo. A jogabilidade é extremamente acessível, pois temos apenas um botão para apertar; no entanto, ela pode ser um pouco difícil de dominar. Alguns minigames não são intuitivos e o tutorial é falho em explicar as regras de cada modo.
Caso nossa função seja arremessar a bola, basta segurar o botão para girar o braço do boneco e soltá-lo no momento adequado. Na rebatida, seguramos o botão para girar o taco, mas sempre prestando atenção no timing do lançamento do adversário. Há muitas variáveis, como os tipos de bola e taco, gravidade, adversário e elementos dos cenários que interferem nessa dinâmica de maneira cômica.

Jogar sozinho é divertido em um primeiro momento. Cada minigame que desbloqueamos traz diferentes perspectivas ao jogo, modificando a física e criando situações únicas e totalmente inesperadas. Desde ganhar a Primeira Guerra Mundial até acertar o taco em um pato, tudo se torna motivo para pontuar e ganhar a partida.
Mas chega um ponto em que jogar sozinho não é mais tão satisfatório e a inteligência artificial deixa de ser tão imprevisível. Ter um amigo para jogar junto é fundamental para que ele se torne verdadeiramente atrativo. Cricket Through the Ages tem aquele perfil de jogo casual que é ótimo para ser disputado com os amigos, principalmente pela questão dele ser jogado com apenas um botão, mas, em outros casos, ele não é o mais indicado.

Chame os amigos e venha jogar críqueteCricket Through the Ages se baseia no críquete para criar um jogo casual muito divertido. Com sua jogabilidade acessível e um bom humor espalhado em todas as suas características, ele se torna uma ótima opção para aqueles momentos de lazer com os amigos, ainda que os tutoriais sejam mal elaborados. Apesar disso, não o recomendo caso você não tenha algum amigo para compartilhar a experiência. A campanha é divertida, mas depois de um curto tempo, não há muito o que explorar no modo singleplayer.PrósA física atabalhoada dos bonecos deixa os minigames engraçados;A jogabilidade com apenas um botão torna o jogo acessível a qualquer tipo de jogador.ContrasAlguns minigames não são intuitivos e o tutorial é ruim em explicá-los ao jogador;Não há atrativos para jogar sozinho, além da curta campanha.

Cricket Through the Ages — PC/Switch/iOS — Nota: 7.5Versão utilizada para análise: PC

Revisão: Davi SousaAnálise feita com cópia digital cedida pela Devolver Digital
~DestaqueAnáliseMobilePCSwitchTweetGustavo Souza
É engenheiro geólogo, graduando em Engenharia Ambiental, entusiasta de novas tecnologias e apenas mais um mineiro que não vive sem café e pão de queijo. Gosta de aproveitar o tempo apreciando RPGs, relaxando em simuladores de fazenda e curtindo uma boa música em jogos de ritmo.Este texto não representa a opinião do GameBlast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 – você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original.

DisqusFacebookGoogle