Agência da ONU fecha em Jerusalém por ataque de ‘extremistas israelenses’

da cassinos que pagam via pix: A principal agência das Nações Unidas para os palestinianos, a UNRWA, fechou temporariamente a sua sede em Jerusalém Oriental, porção da cidade que fica na Cisjordânia e é parcialmente ocupada pelas forças de Israel. O chefe do órgão, Philippe Lazzarini, disse que a decisão foi tomada após uma série de ataques contra o complexo por parte de “extremistas israelenses”.

da SLOTS: “Esta noite, cidadãos israelitas incendiaram duas vezes o perímetro da sede da UNRWA na Jerusalém Oriental ocupada”, publicou Lazzarini no X, antigo Twitter, lamentando que tenha sido o segundo ataque ao complexo em poucos dias. “Uma multidão acompanhada por homens armados foi vista fora do complexo gritando ‘Queimem as Nações Unidas’.”

Funcionários da UNRWA e de outras agências das Nações Unidas estavam no complexo, que possui postos de gasolina e diesel para uma frota de carros do órgão internacional. Lazzarini disse que, embora não tenha havido vítimas, o incêndio causou “grandes danos” do lado de fora dos edifícios.

Tensões em Jerusalém

Segundo o chefe da UNRWA, o ataque ocorreu depois de dois meses seguidos de protestos de “extremistas israelenses” do lado de fora do complexo da agência. Nesta semana, um ato “tornou-se violento quando os manifestantes atiraram pedras contra funcionários das Nações Unidas e contra os edifícios do complexo”, disse ele.

Além disso, nos últimos meses, centenas de colonos israelenses – que recebem assentamentos do governo em terras da Cisjordânia – e ativistas de direita realizaram manifestações do tipo, bloqueando as entradas da agência das Nações Unidas e pedindo o fechamento da UNRWA.

Continua após a publicidade

“Nos últimos meses, os funcionários das Nações Unidas tem sido regularmente sujeitos a assédio e intimidação. Nosso complexo foi seriamente vandalizado e danificado. Em diversas ocasiões, extremistas israelitas ameaçaram o nosso pessoal com armas”, afirmou Lazzarini.

Polêmica na UNRWA

Em março, Israel anunciou que impediria a entrada de comboios da UNRWA levando alimentos ao norte de Gaza, onde a ameaça de fome é maior. A decisão veio depois que a agência foi acusada pelo governo de colaborar com o Hamas.

As acusações de Israel levaram muitos países, incluindo o seu principal doador, os Estados Unidos, a suspender abruptamente o financiamento à agência, ameaçando suas operações. No entanto, várias nações já retomaram os pagamentos desde então. Uma avaliação da inteligência americana sobre as alegações não conseguiu confirmar se a UNRWA colaborou com o Hamas.

Publicidade
VEJA MercadoA péssima reação da bolsa que faz Brasil ir na contramão do mundo e entrevista com Ana Paula Vescovi


As bolsas europeias e os futuros americanos são negociados em alta na manhã desta sexta-feira, 10. A péssima reação da bolsa à decisão do Copom fez o Brasil ir na contramão do mundo. O Ibovespa caiu 1% e o dólar subiu a 5,14 reais depois de o comitê cortar os juros em 0,25 ponto percentual, para 10,5% ao ano — corte menor do que a projeção do próprio BC. As taxas de juros futuras subiram e os títulos de renda fixa também se apreciaram. São esperados novos cortes de juros, mas o Copom não estipula mais as suas magnitudes. O Congresso derrubou alguns vetos do presidente Lula no orçamento de 2024 e retomou 3,6 bilhões de reais em emendas de comissão. O ministro Fernando Haddad disse que só vai comentar sobre o Copom na semana que vem e anunciou um acordo para retomar a desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia neste ano e reonerá-los gradualmente a partir do ano que vem. O governo anunciou um pacote de 51 bilhões de reais em medidas para a reconstrução do Rio Grande do Sul. Diego Gimenes entrevista Ana Paula Vescovi, economista-chefe do banco Santander.

  • Mais lidas

1Mundo Putin fala em conflito global e diz que Rússia está ‘pronta para combate’2Brasil A apresentadora do SBT que ficou no meio de ‘fogo cruzado’ com a Globo3Brasil O que o resgate do cavalo Caramelo revela sobre o Brasil4Brasil SBT apaga vídeo comprometedor sobre doações no RS5Brasil Despreparo e descaso: o que está por trás da tragédia no RS